PJC – Cimento Ecológico

uipi-Uberaba-quer-implantar-fábrica-de-cimento-ambientalmente-correta-130812

O cimento comum representa 5% das emissões de CO2 no mundo, isso ocorre em razão do uso de materiais como o Clínquer ( Argila + Calcário).  Para a produção de 1 tonelada de Clínquer, a mesma quantidade de carbono é liberada na atmosfera, algo muito preocupante.

A preocupação desse impacto no aquecimento global fez com que as grandes indústrias cimenteiras procurassem desenvolver um produto mais limpo.  A maneira encontrada foi reduzir os materiais mais poluentes e substituir o Clínquer por escórias de siderúrgicas, resíduos de termoelétricas e carvão vegetal.

size_590_votorantim-cimentos

Da utilização destes resíduos surgiu um cimento mais ecológico: o CPIII – Cimento Portland de Alto Forno, que usa na sua produção sobras de minérios de ferro, coque e calcário, aproveitando nada menos do que 70% dos resíduos gerados pela siderurgia, eliminando assim outro problema ambiental, o descarte deste material.

Somente com a troca destes materiais no processo de produção do cimento CPIII, reduz-se em 95% as emissões de carbono e em 80% o gasto com energia em comparação ao processo de produção tradicional, números estes que nos levam a chamar o CPIII de cimento ecológico.

size_590_fabrica-cimento-nova pernambuco

De uso geral, o CPIII mostrou-se um produto versátil, servindo para todo os tipos de obras, sendo mais resistente e impermeável em comparação ao cimento comum, seu processo de hidratação é mais lento e com isso o CPIII previne fissuras térmicas tornando-o ideal para fundações, lajes e pilares.

O CPIII enfrentou preconceitos no país por usar resíduos industriais.  No entanto, no Brasil desde 1952, suas vantagens ambientais acabaram por mudar a opinião dos que não o aceitavam e hoje o CPIII já representa 17% de todo o cimento usado no país.

As principais produtoras do CPIII ficam no sudeste do Brasil, entre elas algumas bem conhecidas de todos como a Votorantim, Lafarge entre outras.  Vale ressaltar que no sul se produz o cimento pozolânico, o CPIV, que emprega resíduos de termoelétricas e tem desempenho semelhante ao CPIII.

1978042

O uso do cimento CPIII é uma alternativa verde, fundamental para a sustentabilidade do mercado da construção civil no médio e longo prazo. Pesquisas indicam que a demanda pelo produto irá mais do que dobrar até 2050.

É importante que cada vez mais nos preocupemos com obras sustentáveis, usando materiais verdes, materiais que reduzem emissões de carbono, de consumo de energia e que poluam cada vez menos. Para isso é necessário conhecer estes materiais, ter consciência, pois embora ainda um pouco mais caros, eles representam um benefício enorme ao meio ambiente e com certeza trarão uma melhoria na qualidade de vida em nossas cidades. Ao final ganhamos todos!

Saudações ecológicas!

Agindo local, pensando global!

Carlos Avel.

77119-cimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s